Principais doenças que atacam os equinos

Uma das medidas profiláticas mais eficientes para evitar enfermidades é a vacina contra as doenças bacterianas e viróticas

 

Algumas doenças de equinos causam preocupações nos criadores e é de extrema importância que eles tentem evitá-las ao máximo. Porém, caso alguma doença seja detectada, um programa efetivo de sanidade deve ser posto em ação juntamente com o médico veterinário de confiança do pecuarista. Abordaremos algumas medidas de prevenção e as principais doenças que atacam os equídeos.

Uma forma eficiente de evitar o aparecimento de enfermidades nos cavalos ainda pequenos é por meio do fornecimento de colostro, em maior quantidade possível, aos cavalos recém-nascidos com aproximadamente 36 horas de vida, que é a imunidade passiva. Vacinar contra as doenças bacterianas e viróticas também é uma medida profilática. Além disso, deve-se limpar e desinfetar com frequência as instalações, em períodos de surtos de doenças; combater moscas, mosquitos, carrapatos e quaisquer outros ectoparasitas. É importante que os animais tenham sempre à disposição água abundante e limpa, verde de qualidade, ração balanceada e mistura mineral completa.

Passemos agora a algumas das principais doenças que atacam os equinos:

Anemia infecciosa

Essa doença é também conhecida como “febre dos pântanos” e se reproduz por vírus. Essa doença pode atacar equinos de qualquer idade, qualquer sexo e raça. Os transmissores são os mosquitos, mutucas e varejeiras que ao se alimentarem do sangue de animais infectados, ao atacarem outros sadios, transmitem a doença. Ela é mais frequente em terrenos baixos e mal drenados ou em zonas úmidas muito florestadas.

Os sintomas são febre que chega a 40,6 C; respiração rápida; abatimento e cabeça baixa; deslocamento dos pés posteriores para diante; debilidade das patas; inapetência e perda de peso. Para o tratamento ainda não é conhecido nenhum que seja eficaz.

Encefalite equina

Essa doença é também conhecida como falsa raiva, peste-de-cegar e doença de Aujesky. É causada por vírus que atacam o sistema nervoso central dos equinos e causam pertubações diversas. Os animais doentes portam o vírus no sangue, nas vísceras e na medula óssea. Ela é transmitida por morcegos, carrapatos, hematófagos. Suas vias de contágio são as fossas nasais e as vias digestivas.

Os principais sintomas dessa doença são pertubações na locomoção; febre; hipersensibilidade ao ruído e tato; sonolência, apatia, quedas frequentes; a visão fica comprometida; emagrecimento rápido; pálpebras caídas; apatia e apoio da cabeça nos obstáculos. Para o tratamento, os animais doentes devem ser retirados do trabalho e colocados em um lugar tranquilo e escuro, sob boas condições higiênicas.

Influenza equina

Essa doença é causada por vírus e transmitida pelo contato direto entre animais sadios e doentes. Ela é conhecida também como gripe ou tosse cavalar e é bem parecida com a gripe humana. Essa doença é muito contagiosa e ataca principalmente cavalos com menos de 5 anos, sendo comum em locais onde há aglomeração de animais.

Os principais sintomas são febre, calafrio, respiração rápida, perda de apetite, corrimento nasal, inflamação da garganta, tosse. Para o tratamento, deve-se proporcionar ao animal doente repouso absoluto protegido contra correntes de ar frio e providos de boa cama e alimentação nutritiva.

Cólica equina

Essas cólicas são resultado de doenças do aparelho digestivo ou mesmo de outros órgãos, sendo classificadas como verdadeiras ou falsas. As verdadeiras são causadas por doenças dolorosas do estômago e do intestino, com defecação anormal. Já as falsas são resultado de enfermidades do peritônio, baço, rins e órgãos internos. Para o tratamento dessa cólica, o animal deve ser colocado em uma baia e sem fornecimento de comida, para em seguida receber o medicamento prescrito pelo médico veterinário.

Essas são algumas das doenças que atacam os equinos, mas existem ainda carbúnculo hemático e sintomático, distomatose, garrotilho, leptospirose, raiva, entre outros. Em alguns casos, é preciso saber lidar com algumas enfermidades e acidentes enquanto o médico veterinário não chega. Pensando nisso, o CPT – Centro de Produções Técnicas elaborou o curso Enquanto o Veterinário Não Chega - Atendimento a Equinos. Este curso conta com a coordenação do Médico Veterinário Doutor Haroldo Vargas Leal Júnior. Leia também o artigo Como escolher um bom veterinário.

Beatriz Lazia 04-07-2012 Cavalos

Deixe um Comentário

Comentários

Não há comentários para esta matéria.