Como criar agapornis

Os agapornis são aves exóticas de constituição robusta e de criação muito fácil, sendo pouco sujeitos a doenças

A criação de agapornis traz, além de uma distração encantadora, ótimos retornos financeiros

  agapornis

Os agapornis são aves exóticas de constituição robusta e de criação muito fácil, sendo pouco sujeitos a doenças. Sua criação constitui uma distração encantadora e a venda de seus numerosos filhotes permitem o retorno das despesas feitas com o magnífico entretenimento. Quando se fala em reprodução de agapornis, existem, basicamente, duas formas distintas utilizadas para isso. A primeira seria a criação em colônia, onde vários casais dividem o mesmo viveiro, simulando as condições naturais. O segundo sistema se trata da criação em gaiolas onde cada casal ocupa uma gaiola separadamente.

Os agapornis possuem o instinto de domínio territorial. Por isso, quando é introduzido um bando para criar de uma vez só em um viveiro, há uma briga generalizada, por um período, que é chamado de escolha de um líder do bando. Esse líder fica responsável por avisar a chegada de um estranho ao bando. Sendo assim, em casos de morte de alguma ave, é recomendável retirar o(a) viúvo(a), em vez de colocar um outro agapornis no lugar, pois, provavelmente, este será rechaçado pelo bando.

Esse tipo de criação gera vários problemas, sendo um deles este que acabamos de abordar. Outro problema, que é mais técnico, é que o agapornis é fiel até que se troque a sua parceira, sendo muito comum uma fêmea ser "coberta" por vários machos e, nem sempre, os filhotes são do casal que o criador supõe. Sendo assim, caso o criador tenha a intenção de criar, corretamente, uma linhagem, ele nunca deve confiar no resultado de um casal criado em colônia.

Outro problema que pode ser encontrado pelo criador está relacionado ao aspecto de produção que, além da disputa territorial, também sofre com a disputa pelo ninho, levando à falta de tranquilidade das fêmeas, na época de postura, o que resulta em uma produção inferior a 50%, equiparando-se a um casal que é criado individualmente na gaiola.

Falando em criação nas gaiolas, essa é a forma mais trabalhosa para o criador. No entanto, se este deseja fazer uma seleção de características, esta é a melhor alternativa. Para começar uma criação, um conselho importante é quanto à quantidade inicial de aves. Todos os criadores de experiência dizem o mesmo: "Comece a criação com apenas poucos casais e procure adquiri-los de um criador conhecido". Uma criação pequena é importante para conferir prática e experiência, assim, com o tempo, vai-se aumentando a produção.

Aos criadores que desejam iniciar a criação de agapornis, mas o orçamento não permite a aquisição de mais que cinco casais, a dica é: é preferível adquirir cinco casais excelentes e caros a dez agapornis baratos e de uma linhagem inferior. Nessa criação, a parte mais interessante e importante, sem dúvida, é a escolha da matriz. Uma ave, tecnicamente ruim, fora dos padrões, alimenta-se na mesma proporção de uma excelente linhagem e dá o mesmo trabalho, portanto, a única diferença é o resultado e a satisfação de ter criado uma ave campeã.

Quanto ao acasalamento, no Brasil, os agapornis criam durante todo o ano. No entanto, para que haja um bom acasalamento, irá depender das condições do casal. É preciso que tanto o macho quanto a fêmea estejam em perfeitas condições; não se deve fazer o acasalamento com pássaros que estejam mudando de penas, jovens demais, ou muito velhos, doentes ou que acabaram de se recuperar de alguma doença. Enfim, só se deve fazer o acasalamento com aves saudáveis e aptas para a reprodução.

Para maiores informações, consulte o curso Os Segredos da Criação e Comercialização de Agapornis, elaborado pelo CPT - Centro de Produções Técnicas. O curso conta com a coordenação de Paul Richard Wolfensberger, tetracampeão mundial na criação de agapornis. Ele orienta a respeito da aquisição das aves, nutrição, criação e manejo, entre outros. Leia também nosso outro artigo Agapornis.

Beatriz Lazia 23-11-2012 Aves Exóticas

Deixe um Comentário

Comentários

Não há comentários para esta matéria.