Criada rede de viveiristas para comércio de novo Capim-elefante

Criada rede de viveiristas para comércio de novo Capim-elefante. Divulgada em outubro do ano passado, a nova cultivar Capiaçu surgiu graças ao programa de melhoramento genético de Capim-elefante da Embrapa.

A Embrapa Gado de Leite criou uma rede de viveiristas para comércio da nova cultivar de Capim-elefante, a BRS Capiaçu

Criada rede de viveiristas para comércio de novo Capim-elefanteA Embrapa Gado de Leite criou uma rede de viveiristas para comércio de novo Capim-elefante, o BRS Capiaçu. Tal medida tornou-se necessária para atender à grande demanda de produtores rurais. Até o momento, quatro viveiros foram credenciados - SP (2), MG (1) e RS (1), mas estão previstos mais dois em Minas Gerais e outro em Alagoas para garantir o fornecimento da nova variedade de gramínea para todos, em especial, os pecuaristas leiteiros.

Divulgada em outubro do ano passado, a nova cultivar Capiaçu surgiu graças ao programa de melhoramento genético de Capim-elefante da Embrapa. O nome tupi-guarani significa capim grande, designação perfeita para descrever a gramínea que atinge até cinco metros de altura. Resultado do cruzamento de variedades do BAGCE - Banco Ativo de Germoplasma de Capim-elefante da Embrapa, assim que foi lançada, a nova cultivar ganhou fama rapidamente. Em pouco tempo, produtores de várias regiões procuravam mudas e colmos de Capiaçu, mas muitos não conseguiram ser atendidos.

O potencial da gramínea é enorme, em especial para cultivo de "capineiras - área de terra cultivada com gramíneas de elevado potencial de produção de forragens, que são cortadas e picadas para fornecimento de alimento verde no cocho na época seca. Durante a estiagem, A Cupiaçu é ideal para ser fornecida ao gado picada ainda verde ou como silagem", afirmam Humberto Resende e José Henrique Bruschi, professores do Curso a Distância CPT Formação e Manejo de Capineira, em Livro+DVD e Online, da Área Pastagens e Alimentação Animal.

Uma das vantagens da cultivar BRS Capiaçu é o alto teor de proteína, essencial na dieta do rebanho. Outra vantagem é em relação à produtividade - capaz de produzir cerca de 50 toneladas de matéria seca por hectare/ano. Em média, 30% a mais do que as atuais gramíneas encontradas no mercado. Segundo Antônio Vander Pereira, coordenador da pesquisa, a nova gramínea forma uma excelente silagem e com baixo custo. Os gastos para produzir silagem de Capiaçu são três vezes menores em relação à silagem de sorgo ou milho.

Além disso o seu valor nutritivo é semelhante ao da silagem de forrageiras convencionais e muito melhor do que o da cana-de-açúcar. Da mesma forma, ela atende com eficácia as necessidades proteicas e energéticas do gado, assim como a ensilagem de milho. Por outro lado, o uso da silagem de Capiaçu na alimentação das vacas lactantes, exige do pecuarista maior quantidade de concentrado na dieta. Mas mesmo assim ela é viável economicamente, pois apresenta baixos custos de produção.

Fonte: Canal Rural.

Confira o artigo "Formas de alimentar o gado em período de seca" e aprimore ainda mais o seu conhecimento.

Andréa Oliveira 06-10-2017 Pastagens e Alimentação

Deixe um Comentário

Comentários

Não há comentários para esta matéria.