Conheça as principais doenças que atacam o gado

Os pecuaristas que se dedicam à criação de gado têm que ter um controle cuidadoso contra as doenças que atacam esses animais.

As verminoses ocupam grande destaque por causarem retardamento no desenvolvimento do gado, morte e gastos excessivos com manejo

gado Os pecuaristas que se dedicam à criação de gado têm que ter um controle cuidadoso contra as doenças que atacam esses animais. Nesse sentido, conhecê-las, saber o método de prevenção, controle e manejo adequado dos animais é de extrema importância para o sucesso da criação. Abordaremos algumas das principais doenças de natureza infecto-contagiosa que podem atacar gados de corte.

Febre aftosa

Os prejuízos que essa doença pode causar são inúmeros, pois sua persistência prejudica a imagem da carne perante países importadores. Além disso, ela causa baixo desempenho do animal na produção de carne e leite, em consequência da perda de apetite e da febre.

Essa doença tem causa virótica altamente contagiosa. Sua transmissão pode ocorrer pela ingestão de água, alimentos no cocho e pastos contaminados pela saliva de animais doentes. Um agravante dessa doença é que o vírus que a transmite é muito resistente, podendo sobreviver durante meses em carcaças congeladas.

O gado contaminado apresenta vesículas e erosões na mucosa da boca, nas tetas e nos espaços entre os dedos. A temperatura se eleva consideravelmente, acompanhada de ranger dos dentes, falta de apetite, dificuldade de mastigar, estalos ruidosos da língua e salivação abundante.

Para controle da doença, devem ser obedecidas as recomendações de vacinação do rebanho. A aplicação da vacina aquosa deve ser semestral para todos os animais com mais de quatro meses de idade até o fim da vida produtiva. É importante também que não se transite com animais, doentes ou sadios, em lugares onde a doença tenha se manifestado.

Brucelose

A brucelose bovina provoca processos inflamatórios no útero e na placenta, podendo até mesmo ocasionar abortos, geralmente aos sete meses de gestação da vaca. Por essa razão, essa doença é também conhecida como aborto infeccioso. Para o produtor, essa doença traz grandes prejuízos econômicos, uma vez que reduz a taxa de natalidade dos rebanhos e faz diminuir a produção de leite.

Essa doença é causada por uma bactéria e sua disseminação se dá geralmente por material contaminado, como corrimento uterino, restos de placenta e líquidos fetais. A contaminação pode ser feita por materiais que contaminam a água, os pastos e os alimentos que, ao serem ingeridos ou postos em contato com a pele do animal, transmitem a doença.

Na fêmea adulta, a brucelose pode ser detectada pela retenção da placenta, inflamação uterina e o subsequente aborto. Os touros podem vir a contaminar-se ao cobrirem as vacas, contraindo epididimite, artrite e orquite. Nesses casos, os touros podem não apresentar os sintomas, mas estar com o sêmen contaminado.

O controle dessa doença pode ser feito com vacinação das bezerras de quatro a oito meses de idade, via subcutânea. Os animais que tiverem resultado positivo para a doença devem ser retirados o quanto antes do rebanho. As fêmeas que abortarem devem ser isoladas até que se confirme sua sanidade.

Carbúnculo sintomático

Essa enfermidade infecciosa ataca principalmente animais jovens e tem como característica a inflamação dos músculos, principalmente dos membros posteriores. No Brasil ela causa prejuízos econômicos aos criadores, pois provoca a morte de bezerros.

Essa doença é causada por um microrganismo e sua transmissão ocorre pela ingestão de esporos desse germe com a água e alimentos contaminados e pela contaminação de feridas cutâneas. Os sintomas mais comuns são perda de apetite, tremedeira, pulso rápido, respiração difícil, apatia e febre, além da manqueira e inchação crepitante dos músculos.

Para o controle da doença, os bezerros devem ser vacinados com quatro meses de idade e revacinados aos nove ou dez meses, por via subcutânea, com vacinas polivalentes. Depois disso, deve-se vaciná-los de ano em ano.

Para mais informações a respeito das doenças e de seus respectivos controles, consulte o curso Prevenção e Controle de Doenças em Bovinos elaborado pelo CPT - Centro de Produções Técnicas. O curso conta com a coordenação do médico veterinário Jackson Victor de Araújo, que orienta a respeito dos fatores que interferem no desenvolvimento da pecuária bovina. Leia também nosso outro artigo Como Previnir e controlar doenças em bovinos.

Beatriz Lazia 18-06-2012 Pecuária de Corte

Deixe um Comentário

Comentários

Não há comentários para esta matéria.