Doença gera sérios prejuízos ao produtor de camarão

Doença gera sérios prejuízos ao produtor de camarão. Como tem causado prejuízos ao carcinicultor, que passa a investir em prevenção, a doença tornou o quilo do crustáceo mais caro para o consumidor.

Doença conhecida como mancha branca gera sérios prejuízos ao produtor de camarão e encarece o crustáceo no mercado

Doença gera sérios prejuízos ao produtor de camarãoA mancha branca atinge a criação de camarões da Ásia às Américas. Recentemente, ela tem avançado em muitas regiões do Brasil. Além do Ceará, ela tem acometido criações de camarão no Rio Grande do Norte, em Sergipe, no Piauí, na Paraíba, em Pernambuco e na Bahia. Nem Santa Catarina escapou do terrível vírus, que atinge a fase inicial de desenvolvimento dos camarões causando sua calcificação. Como consequência, os crustáceos morrem e contaminam todo viveiro, o que gera sérios prejuízos ao produtor de camarão.

Desde a metade de 2017, o Ceará tem sido a região mais afetada pelo vírus da mancha branca. Em apenas um semestre, foram dizimadas 30 toneladas de camarão, que correspondem a 60% da produção do período. Como tem causado prejuízos ao carcinicultor, que passa a investir em prevenção, a doença tornou o quilo do crustáceo mais caro para o consumidor. Em Fortaleza, o camarão médio passou de R$ 15/kg para R$ 35/kg.

Segundo João Paulino, engenheiro de pesca em uma fazenda em Cascavel (CE), é importante que as larvas do camarão tenham boa procedência para não contaminarem o plantel. Foi o que aconteceu com cerca de cinco toneladas de camarão da propriedade, praticamente toda produção foi perdida com o avanço da doença. Para reverter o quadro, foram investidos quatrocentos mil reais em estufas-berçário. Mas ainda será investido meio milhão na cobertura dos viveiros de engorda.

Um meio eficaz para tornar o vírus da mancha branca inativo nos viveiros é manter a temperatura média em 32°C (alta). Além disso, é de fundamental importância realizar um bom monitoramento das larvas de camarão que entram no criatório. "Todas devem estar sadias, bem desenvolvidas e nutridas adequadamente para produzirem camarões graúdos e vigorosos", afirmam Antonio Ostrensky Neto e Roberto Carlos Barbieri Júnior, professores do Curso a Distância CPT Cultivo de Camarões Marinhos, em Livro+DVD e Online, da Área Piscicultura.  

Países onde a mancha branca destruiu produções inteiras de camarão passaram a investir em estudos laboratoriais em busca de larvas mais resistentes. Da mesma forma, foram potencializados os cuidados com o manejo em todas as fases de desenvolvimento do camarão. Na verdade, para enfrentar o vírus com força total, "os produtores devem criar menos camarões por m², para reduzir a carga viral no viveiro e melhorar a qualidade da água, bem como garantir aos crustáceos uma boa nutrição, completa Cristiano Maia, presidente da Associação Cearense de Criadores de Camarão.

Fonte: Globo Rural.

Confira o artigo "Criação de camarões marinhos" e aprimore ainda mais o seu conhecimento.

Andréa Oliveira 23-01-2018

Deixe um Comentário

Comentários

Não há comentários para esta matéria.