Vacina contra aftosa ganhará nova formulação

Vacina contra aftosa ganhará nova formulação. A porcentagem de saponina será alterada, já que a substância causava efeitos adversos nos animais, além de abscessos.

Em 2018, a dose da vacina contra aftosa será reduzida para 2 milímetros conforme Instrução Normativa nº 11 do MAPA

Vacina contra aftosa ganhará nova formulação 

"A vacinação contra febre aftosa é uma prática obrigatória, importante e necessária na produção de bovinos, pois previne (ou erradica) a doença, além de reduzir perdas econômicas ao pecuarista e ao país", afirma Luana Barros, professora do Curso a Distância CPT Manejo Sanitário de Bovinos para Produção Orgânica de Leite, em Livro+DVD e Online, da Área Gado de Leite.

Em 2018, a dose da vacina será reduzida para 2 milímetros (antes ela era ministrada em 5 milímetros) conforme Instrução Normativa nº 11 do MAPA - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. A redução da dose é uma medida impreterível para diminuir as reações alérgicas nos bovídeos. É importante ressaltar que a alteração será válida a partir da segunda fase de aplicação (segundo semestre).

De acordo com Luis Rangel, secretário de Defesa Agropecuária, na nova formulação, a porcentagem de saponina também será reduzida, já que a substância causava efeitos adversos nos animais, além de abscessos. Todos os cuidados necessários (fiscalização do MAPA) serão tomados para que a vacina não perca a eficácia e mantenha as mesmas garantias. As doses contra aftosa produzidas no Brasil são testadas nos laboratórios oficiais do Ministério da Agricultura (Lanagros).

Por tais motivos, os pecuaristas não precisam se preocupar com a nova formulação. Entretanto, os cuidados com o manejo sanitário devem ser seguidos à risca. Principalmente, durante a aplicação da vacina. Os procedimentos corretos na vacinação garantem eficiência à imunização do rebanho. Daí ser estritamente necessário o treinamento do pecuarista ou tratador para que tudo seja realizado conforme o recomendado.

Para que o país continue com o status sanitário livre de aftosa, é essencial que a imunização do gado siga todos os princípios de segurança e eficiência. "Há 50 anos, trabalhamos com a erradicação da febre aftosa no país e a vacinação adequada dos animais foi fator-chave para alcançarmos tamanho feito", completa Rangel. Em maio, a OIE - Organização Mundial de Saúde Animal, ratificará nosso status atual.  

Fonte: Canal Rural.

Confira o artigo "Boas práticas de manejo do gado de leite" e aprimore ainda mais o seu conhecimento.

Andréa Oliveira 30-01-2018

Deixe um Comentário

Comentários

Não há comentários para esta matéria.