Formigas cortadeiras (saúvas e quenquéns): inseticidas para controle

Formigas cortadeiras (saúvas e quenquéns): inseticidas para controle. O ataque da praga ocorre com o corte das folhas, flores e ramos da planta. Nas plantas cortadas, elas cultivam um fungo simbionte, do qual se alimentam.

As formigas cortadeiras que mais se destacam são as saúvas e quenquéns, respectivamente dos gêneros Atta e Acromyrmex

Formigas cortadeiras (saúvas e quenquéns): inseticidas para controle

“Com a devastação das matas e a consequente redução dos competidores e inimigos naturais das formigas cortadeiras, aliados à pobreza dos solos e à introdução de monoculturas florestais e agrícolas, saúvas e quenquéns encontram condições ideais para proliferação e estabelecimento de suas colônias”, afirmam José Cola Zanuncio, Norivaldo dos Anjos Silva e Terezinha Maria Castro Della Lucia, professores do Curso a Distância CPT Controle de Formigas Cortadeiras, em Livro+DVD e Online, da Área Agricultura.

As cortadeiras são extremamente agressivas a todo tipo de planta, o que pode gerar grandes prejuízos aos produtores rurais. Além de atacar cultivos e pastagens, a praga pode atacar extensas áreas florestais. As espécies de cortadeiras que mais se destacam são as saúvas e quenquéns, respectivamente dos gêneros Atta e Acromyrmex.

As formigas do gênero Atta apresentam maior tamanho em relação às do gênero Acromymex. O mesmo vale para os ninhos da saúva, que ocupam áreas com maior extensão, ou seja, o volume de formigas por ninho pode ser gigantesco. Por tais motivos, elas causam danos de grandes dimensões a plantações, pastagens e florestas.

O ataque da praga ocorre com o corte das folhas, flores e ramos da planta. Nas plantas cortadas, elas cultivam um fungo simbionte, do qual se alimentam. Se não forem combatidas com urgência, o controle se torna muito mais difícil. Podem ser utilizadas iscas formicidas, constituídas de grânulos, estrategicamente distribuídos, próximos a carreiros e olheiros do formigueiro.

É de suma importância que o procedimento seja realizado em tempo seco, para que os grânulos não se dissolvam com a umidade. O contato direto da isca com as mãos não é recomendado, para que o produto não perca o efeito de atração da praga. Outra recomendação é que as iscas formicidas não sejam armazenadas com outros produtos químicos.

Outra opção eficaz é o inseticida em pó, como a Deltametrina. O produto deve ser aplicado, com o auxílio de insufladores, diretamente nos ninhos. Se estes não puderem ser localizados, o ideal é aplicar gel repelente ao redor do tronco, em faixas de 2mm (largura), para não deixar que as cortadeiras subam.

Principais inseticidas:

Deltametrina (Pó): É ideal para saúvas e quenquéns. A dose recomendada é de 10g/m² formigueiro.

Fipronil (Isca): A dose recomendada é de 10g/m² formigueiro (saúvas) e 5g/m² formigueiro (quenquéns).

Clorfirifós (Isca): A dose recomendada é de 5-10g/m² formigueiro ou 10g/m² formigueiro (saúvas) e 8-10m² formigueiro (quenquéns).

Sulfluramida (Isca): A dose recomendada é de 6-10g/m² formigueiro ou 8-10g/m² formigueiro (saúvas) e 10-12g/m² formigueiro ou 10-30g/m² formigueiro (quenquéns).

Antes de realizar qualquer procedimento com inseticida em pó ou isca formicida, sugerimos a consulta com um engenheiro agrônomo. Ele poderá avaliar melhor o quadro de infestação das formigas cortadeiras para prescrever a dosagem adequada a cada situação.

Fonte: Revista Globo Rural.

Confira o artigo "Controle das formigas cortadeiras (quenquéns e saúvas)" e aprimore ainda mais o seu conhecimento.

Andréa Oliveira 30-11-2017 Agricultura

Deixe um Comentário

Comentários

Não há comentários para esta matéria.